Feiras, Workshops e muita música no dia mais longo da Porta – Dia 9 do Festival A Porta

rua-direita-festival-a-porta-leiria-til-magazine

Escrito por:
Fotografia por:
Teresa Neto
Teresa Neto
                       

Últimos posts de Teresa Neto (see all)

    O último sábado da Porta encheu a Rua Direita de música e movimento, com o regresso da Feira Bandida, um programa vasto de workshops, exposições e instalações, e até um arraial ao final da tarde.

    Com um dia de sol e um cartaz repleto de atividades para todos os gostos, o sábado prometia-se de grande animação na rua mais conhecida da cidade.

    O dia começou cedo, num registo ainda calmo, com a Feira Bandida e a Feira Independente a trazerem os primeiros vestígios de movimento para a Rua Direita.  Quem por lá passava podia já ver os preparativos finais para a Piscininha e concertos do Palco Larguinho, que fizeram as delícias dos mais pequenos e de todos os que por ali passaram durante toda a tarde.

    rua-direita-festival-a-porta-leiria-til-magazine
    Concerto e Piscininha no Palco Larguinho

    Durante a tarde a rua ficou preenchida de animação com concertos e workshops porta sim, porta não, e com várias atividades de muito sucesso direcionadas para as crianças. Destaque para mais uma edição dos Mini Repórteres  – atividade da TIL – e para a inovadora PASTAX 3200 XP 2.0., uma máquina de desenhar.

    Já ao final da tarde, o público concentrou-se no Centro Cívico para assistir à magia de Julinho da Concertina, que pôs toda a gente a dançar e com a boa disposição no máximo. O bom ambiente fez-se sentir até ao final da atuação.

    Após a pausa para jantar, a festa continuou no jardim Luís de Camões e, apesar da chuva miúdinha, ninguém arredou pé  até ao final dos concertos de The Physics House Band, Jonathan Bree e  The Mauskovic Dance Band.

    jonathan-bree-civico-festival-a-porta-leiria-til-magazine
    Jonathan Bree

    Por fim, tal como na noite anterior, a festa prolongou-se até de madrugada na Stereogun com o rock com linhas tortas dos Solar Corona e o dj set de DJ Fitz, que criou uma onda de felicidade no terminar do segundo sábado de festival.

     

    Texto: Catarina Ferreira