Vai uma voltinha de bicicleta? Leirienses vão ter mais 220 bicicletas elétricas na cidade


O projeto inclui a criação de 20 estações de auto-serviço e 200 docas de carregamento automático.

Nos próximos nove meses, o Município de Leiria propõe-se a adquirir 220 bicicletas elétricas para integrar um sistema público de bicicletas partilhadas. O projeto, calculado em 740 mil euros, prevê ainda a instalação de 20 estações com quiosque de auto-serviço e pelo menos 200 docas de carregamento automático.

A proposta de criar uma rede pública de partilha de bicicletas, que tem como objetivo promover “o uso quotidiano de meios de locomoção mais amigos do ambiente”, “facilitar o acesso à rede de transportes públicos” e “contribuir para uma mobilidade urbana mais sustentável”, já tinha sido anunciada em junho do ano passado pelo presidente da Câmara, no âmbito da apresentação do programa Renovar Leiria.

Neste momento, a autarquia já tem definidos 18 dos 20 locais onde serão instaladas as estações com quiosque de auto-serviço. A maioria ficará situada na cidade de Leiria, embora a rede também se estenda aos Parceiros e à freguesia de Marrazes e Barosa.

Os equipamentos serão montados no largo da República, Complexo Municipal de Piscinas de Leiria, largo Comendador José Lúcio da Silva, largo Cândido dos Reis (Terreiro), junto às três escolas secundárias da cidade, Jardim da Almuinha Grande, avenida Nossa Senhora de Fátima, estrada da Estação (Urbanização da Gordalina), avenida Marquês de Pombal, rua Cidade de Tokushima, rua D. José Alves Correia da Silva, rua da Quinta (Urbanização de Santa Clara), rua Vasco da Gama (Urbanização Quinta do Alçada), rua da Assunção, rua da Cooperativa e praceta de Lisboa (Urbanização Quinta do Bispo).

Em comunicado, o Município informa que “a localização das restantes estações e docas será decidida durante a instalação da rede, que teve em conta as principais zonas residenciais da cidade, os locais de equipamentos e serviços públicos e de parques de estacionamento e zonas de transferência modal”.

O projeto vai ser objeto de candidatura a fundos comunitário, para uma comparticipação de 85%.

 

Texto: Rui Miguel Marques
Foto: CM Leiria