Crítica: The Farewell é o melhor exemplo da importância de uma avó na nossa vida


Escrito por:
Rui de Sousa
Rui de Sousa
                       

Últimos posts de Rui de Sousa (see all)

“Baseado numa mentira real”, é a introdução de um filme, sobretudo, introspetivo. Uma mistura de culturas e géneros cinematográficos obrigatórios

Uma verdade avassaladora ou uma mentira piedosa? Na nossa própria vida já nos questionámos sobre este dilema centenas de vezes. E tudo devido às possíveis consequências dessa escolha.

Em “The Farewell”, o filme “baseado numa mentira real” retrata uma jovem adulta nascida na China mas criada em Nova Ioque (EUA) . Billi (Awkwafina), recebe a notícia de que a sua avó Nai Nai (Shuzhen Zhao) está com um cancro estágio 4, ou seja, um cancro terminal que não lhe dará muito mais do que alguns meses de vida.

E qual o grande conflito? Toda a família sabe do sucedido, ao contrário da própria avó. O objetivo desta omissão a Nai Nai não ter de lidar com essa frustação, de forma a viver o resto do tempo mais despreocupada. Esta é uma prática comum na cultura chinesa – diz-se inclusive que as pessoas com cancro não morrem da doença mas sim, devido ao medo.

Assim sendo, Billi e a restante família inventam um casamento falso, de forma a juntar toda a família na China e dar uma razão plaúsivel para convencer Nai Nai.

O ângulo desta película não se centra na morte da avó mas sim no resto da vida e da conexão familiar num momento tão delicado. Não há efeitos nem diálogos longos retirados de livros – tudo soa a natural, tudo se parece como se estivessemos a falar (e sobretudo a viver!) com a nossa própria avó.

É esta humanização da relação avó-neta, em conjunto com a mentira, que traz mais sorrisos que tristezas, que nos guia por estes quase 100 minutos de filme.

De referir, também, a aposta bem conseguida de juntar o mandarim à língua inglesa, quase num 50/50, sem que isso distraia ou confunda o telespetador. 

Um grande fun fact deste filme é que a personagem principal Billi (Awkwafina) é a grande substituta da realizadora e argumentista Lulu Wang, que aqui retrata a sua história de vida. É, por isso, mais uma razão para o filme se tornar facilmente humanizado e  ter níveis de proximidade intensos.

Wang recebeu a mesma notícia em 2013, quando soube que a sua avó estava com uma doença terminal. Aí o casamento ficcionado de um primo foi o esquema para juntar toda a família, num último adeus à predestinada avó.

Com o prémio de melhor atriz principal nos Globos de Ouro, este é um filme sobre a vida.  Mais curta para uns, mais dorida para outros. Este é o exemplo de filme perfeito para explicar que o relógio não pára e que temos de aproveitar para dizer tudo o que sentimos aos que ainda cá estão.

 

Classificação TIL: 7,5 / 10