A Companhia Portugueza do Chocolate chegou às Cortes e tem experiências de chocolate irresistíveis


Escrito por:
Fotografia por:
Sónia Pereira
Sónia Pereira
                       

Últimos posts de Sónia Pereira (see all)

    Em Junho deste ano, Leiria foi presenteada com a abertura de um novo espaço totalmente dedicado ao chocolate e aos seus prazeres, a Companhia Portugueza do Chocolate, pela mão do reconhecido Chef Daniel Gomes.

    O Chef Daniel Gomes conta com uma experiência de mais de 10 anos na área, que incluem uma estadia em Leiria no Daniel’s Chocolate e ainda vários anos a trabalhar exclusivamente na revenda para empresas nacionais e internacionais de renome, período durante o qual criou o “Glorius”, o emblemático bombom mais caro do Mundo. Agora, volta a abrir ao público uma casa totalmente dedicada ao chocolate, na remodelada Adega Cooperativa das Cortes, um antigo edifício de produção de vinho da região que estava abandonado há uma mão cheia de anos.

    Daniel cresceu entre “tachos e panelas”, como começou por nos contar, no restaurante e na empresa de catering dos pais. Era apaixonado por chocolates, queria deitar a mão a todos os que encontrava, mas a mãe não podia deixar. O fruto proibido tornou-se o mais apetecido. Mais tarde, tirou o curso de Mesa & Bar, onde teve aulas com chefs de pastelaria que manuseavam cacau e chocolate, e o bichinho voltou a despertar. Hoje, vê o chocolate como uma matéria-prima com infinito potencial de criatividade, inovação e partilha de experiências, e isso é o que o mais apaixona naquilo que faz todos os dias.

    A chegada às instalações do novo espaço mostra-se logo prometedora com uma vitrine repleta de bombons coloridos com formato, cores e tonalidades que nos lembram berlindes de coleção e uma mesa cheia de travessas brancas de tabletes de chocolate que contrastam em cores, sabores e texturas.

    Começamos por comer com os olhos, sentir os aromas, tocar nas texturas, deliciar-nos com o som crocante das tabletes e, finalmente, deliciar-nos com todos os sabores disponíveis. É um espaço acolhedor que nos estimula os cinco sentidos, não fosse o chocolate um produto com um potencial sensorial tão grande.

    Para consumo no local, o cliente pode optar por ficar dentro ou fora. Lá dentro, há uma sala elegantemente decorada em tons quentes, nas diferentes tonalidades do chocolate, com mesas de madeira, e cadeiras e sofás almofadados onde apetece ficar horas. Uma das paredes é toda em vidro, com uma queda de água permanente para que nos sintamos mais próximos da natureza e do rio que está já ali ao lado.

    A zona de esplanada é igualmente agradável, por entre o verde da vegetação, montada estrategicamente ao lado do rio. Nestas mesas, podemos sentir o prazer de uma bebida ou do chocolate por entre os sons da natureza, canto de passarinhos, a brisa do vento ou o som da água a correr. Todos os cantos e recantos foram pensados ao pormenor para que o cliente tenha a melhor e mais agradável experiência sensorial possível.

    Depois de nos sentarmos somos presenteados com duas ementas, uma de bebidas e outra de comida.

    As opções são muitas e variadas. Pode optar por uma espetada de fruta com três tipos de chocolate e chantilly (4€) ou deixar-se levar pela gula e acrescentar-lhe ainda uma bola de gelado (5,40€).

    Tem ainda a possibilidade de provar a deliciosa tosta de nocciolata (2,50€), uma tosta de pão rústico recheada de creme de chocolate e pedacinhos de avelãs caseiro. É uma tosta decadente que além de vir servida de forma bastante generosa, traz ainda duas colheradas do creme no prato para os mais gulosos.

    Na carta há ainda diferentes versões de crepes finalizados com chocolate a preços que ficam entre os 2,80€, na versão de 3 chocolates e chantilly, e os 4,90€ para o crepe mais elaborado com 3 chocolates, frutos vermelhos, bola de gelado e chantilly – uma opção perfeita para partilhar ou pecar sozinho.

    E quem podia esquecer os clássicos chocolates quentes (2,75€)? Um clássico que, aqui, é uma experiência gastronómica. Ao contrário de serviços mais convencionais, o chocolate quente vem desconstruído para que o cliente tenha a oportunidade de o criar. Como? Simples – o pedido chega à mesa dividido em três partes: uma chávena de leite cheia e bem quente, 2 pedaços de chocolate moldados na forma de pequenos e lindíssimos grãos de cacau e 1 pratinho de amêndoas ou pintarolas, consoante o seu pedido.

    Ora, o objetivo é que cada cliente tenha o prazer de ver o chocolate derreter lentamente no leite quente, antes de o finalizar com amêndoas ou pintarolas. Assim, depois de largar os pedaços de chocolate e os ver “rebentar” no leite, deve ir mexendo até que estejam totalmente envolvidos. É uma experiência que brinca com todos os nossos sentidos. A ideia é ser mais do que um momento de consumo, sendo também um momento de diversão e aprendizagem para o cliente.

    Na Companhia Portugueza do Chocolate a experiência é completa e imersiva, com a oportunidade de provar uma panóplia de chocolates incríveis do produtor do bombom mais caro do mundo, sem rebentar o orçamento. Garanta só que leva tempo e apetite, pois o espaço pede uma experiência mais demorada e vai ser difícil escolher só uma coisa!