Crítica: A ascensão ao estrelato ao nível de um Rocketman


Elton John bem se pode orgulhar da sua representação. Taron Egerton estudou bem a lição e oferece um Rocketman que junta a felicidade musical aos dramas prematuros até chegar ao estrelato.

Sexo, drogas e rock n’roll. O lema já é um cliché, muito mais agora em pleno 2019, com a quantidade de histórias de bandas que envergaram e ficaram rotuladas com esses mesmos julgamentos.

Elton John também sofreu na pele este tipo de acusações, mas depressa conseguiu virar o jogo do seu lado e é isso que Rocketman pretende dar a conhecer ao espetador: a superação contra todas as adversidades, mesmo que parte delas tenham sido justificadas pelo próprio.

O sucesso deste filme pode ser comprovado por três fatores: realização, ator principal e caracterização. Vamos por partes.

Dexter Fletcher é o ator que se tornou realizador e muito à conta disso é que a própria interpretação de Taron Egerton está tão perfecionista. Fletcher também esteve na produção do mítico Bohemian Raphsody, o que lhe conferiu uma maior maturidade para dirigir um filme com a mesma linhagem artística – Elton John não é Freddy Mercury, mas está ali muita coisa relacionada na evolução e ondulamento de artista-vida solitária ao longo das películas.

Se conhece o ator Taron Egerton dos dois filmes Kingsman, então prepare-se para um outro lado dele. Aqui não há tiros em slow motion mas há espaço para boas coreografias – estas ao piano. Taron Egerton dá uma versão bastante curiosa de Elton, do homem que não tem uma relação feliz com os pais e dá preferência à música e ao seu piano para se superar na vida.

O ator galês era já uma preferência do próprio Elton John (que também participou na produção do filme), depois da suposta não contratação de Justin Timberlake para o papel. Os tiques, a extravagância estão todos lá. A voz não chega ao poderio de Elton, mas é afinada e ao que parece não levou mesmo qualquer mistura técnica (o que é de louvar!). Não sabemos se este é o papel da vida deste jovem ator, mas certamente que lhe ficará marcado durante muito tempo.

Quanto à caracterização tudo sublime. As roupas vistosas, os óculos excêntricos estão sempre ali presentes. As parecenças são tantas que nos pós-créditos de Rocketman é possível ver algumas cenas daquele filme e comparar com fotografias reais de Elton John. Mais idêntico era impossível!

As vidas musicais têm sido fortemente exploradas no cinema nos últimos anos, sendo Bohemian Rhapsody (que fala mais concretamente de Freddy Mercury a ascensão mediática dos Queen) aquele que bateu recordes de audiências dentro deste género. E apenas meses depois, Rocketman é o novo caso de sucesso em Hollywood!

Classificação TIL: 7/10

Link para bilhetes no Cinema City Leiria