Clap Your Hands Say F3st: Kaelling e Joana Espadinha hipnotizaram o Miguel Franco


Escrito por:

O quinto episódio do Clap Your Hands Say F3st trouxe ao Teatro Miguel Franco os Kaelling e a Joana Espadinha que deixaram o público em transe.

 

A primeira banda da noite foram dos Kaelling, uma banda recente da Marinha Grande, que apresentou-se neste festival confessando ser esta a sua terceira atuação e apesar de se notar algum nervosismo, o espetáculo que apresentaram foi o suficiente para aguçar a curiosidade. Pautados por uma mistura de guitarras ora agressivas, a lembrar o metal, ora mais melódicas e sempre em diálogo uma com a outra, o andamento ao estilo rock progressivo era complementado pela harmonia dos vocais.

Os Kaelling são oriundos da Marinha Grande e misturam o rock progressivo e o metal.

Este concerto serviu também para apresentar o álbum Lacuna que, segundo os próprios está divido em três partes, cada uma com a sua abordagem diferente. HeritageLacklusterReunion foram algumas das músicas que hipnotizaram a plateia. Os Kaelling, apesar de recentes, já notam solidez em palco e esta mistura de estilos pode ser o segredo para o seu sucesso, pelo menos o Teatro Miguel Franco ficou rendido à sua irreverência.

Os Kaelling misturam vocais melodiosos com guitarras mais pesadas.

Depois do intervalo para cigarrinho e uma imperial fresquinha (como a noite), chegou a altura do grande nome da noite tomar o palco. Joana Espadinha trouxe o seu álbum O Material Tem Sempre Razão e inundou o teatro Miguel Franco com o seu pop com traços de melodramatismo e o público rendeu-se por completo. Acompanhada de órgão, bateria, uma guitarra e um baixo as músicas foram escoando e a plateia foi-se soltando.

Joana Espadinha hipnotizou o público com a sua simplicidade e as suas músicas.

Ao som de singles como Leva-me a dançar, Pensa Bem e até Zero a Zero, a música com que Joana participou no Festival da Canção, o espaço foi ficando cada vez mais rendido ao pop e à simplicidade de Joana e dos seus músicos.  Apesar de algumas dificuldades técnicas, porque O Material Tem Sempre Razão, o público não se deixou intimidar e acabou a dançar o encore à frente do palco cheio de prazer pelo que ouviram e pelo que sentiram.

Houve tempo para encore e o público não queria que acabasse.

Clap Your Hands Say F3st! Muito obrigado e esperamos pelo próximo episódio dia 22 de fevereiro que trará Cassete Pirata e Geek Dadies.

 

Fotos: Karina Milheiro