Paus e mais 5 concertos que não vai querer perder


Esta semana contamos com psicadelismo mexicano, guitarra de slide, bossa nova, rap nonsense, uma banda com duas baterias e ainda uma performance muito diferenciadora! Tudo isto no seu distrito.

  • Lorelle Meets the Obsolete 21h30 – Texas Bar // 28 de janeiro

A dupla Lorelle Meets the Obsolete lançou a 11 de janeiro o seu quinto álbum De Fato e já é considerado por muitos como o mais coerente da banda.  Lorena Quintanilla e Alberto González constituem a dupla mexicana que explora as sonoridades do shoegaze e psicadelismo, e neste disco o foco está nos teclados e em trilhas rítmicas cativantes. Apresentam-se ao vivo com elementos dos New Candys ou Mamuthones e são considerados uma das bandas elementares da nova vaga de música psicadélica da América Latina. A entrada custa 6€.

 

  • Clap Your Hands Say F3st: Conjunto Corona + Carol 21h30 – Teatro Miguel Franco // 1 de fevereiro

“Conjunto Corona é amigo do ambiente e apoia o desenvolvimento sustentável de todas as economias mundiais, a paz, os jogos olímpicos, os prémios nóbeis e as francesinhas vegetarianas. Mas no fundo, nada disto importa, porque Conjunto Corona é o que tu quiseres.” Esta descrição na sua página de facebook já nos dá uma visão de quem é este grupo. Muito virado para o non-sense mas não desligados da realidade. O produtor dB, que já conta com um trajeto bastante invejável, e Logos, o rapper de serviço que também já tem vários anos disto, arranjam sempre forma de surpreender, seja pelos beats que nos agarram, ou pelas rimas sobre os mais variados temas. 

Nascida em Fortaleza, no Brasil, Carol é uma intérprete recente. Dotada de uma voz que só apetece guardar num frasquinho e ouvir para sempre, conjugada com acordes de guitarra ao estilo do samba da Bahia, Carol é um misto de alegria e positivismo com uma calmaria melancólica que nos agarra desde o primeiro acorde. Um concerto para não falhar se quiser levantar a moral!

Os bilhetes do Clap Your Hands Say F3st estão sempre à venda no dia do evento à porta do teatro por 5€.

 

  • Jack Broadbent 21h30 – Cine-teatro João d’Oliva Monteiro // 2 de fevereiro

Guitarra de slide! Esta expressão chega para convencer qualquer apreciador de música, seja qual for o género. Jack Broadbent é um exímio guitarrista neste estilo e traz o seu talento a Alcobaça. Nascido em Inglaterra e com influências de John Lee Hooker, Peter Green, Robert Johnson e Neil Young, entre muitos outros, este último ano de Jack tem sido passado a impressionar as plateias internacionais com as suas aptidões na guitarra e com os vocais inspirados no R&B e no folk. Apenas com um álbum editado em 2015, Along the Trail of Tears, Jack foi considerado “O Novo Mestre da Guitarra de Slide” pelo Festival de Jazz de Montreux, o que é um testamento à sua qualidade que não vai querer perder. Os bilhetes ficam a 14€ e já não há assim tantos!

 

 

  • Paus 23h – Stereogun // 2 de fevereiro

O grupo precisa de poucas apresentações mas ainda assim, cá vai. Hélio Morais, Joaquim Albergaria, Makoto Yagyu e Fábio Jevelim constituem esta que se pode considerar uma super banda. Hélio é também baterista dos míticos Linda Martini, Makoto e Fábio integram os Riding Pânico e Quim Albergaria podemos ouvi-lo na Antena 3 com o programa O Disco Disse. Com o alinhamento peculiar de duas baterias (Hélio e Quim), os Paus ganharam o seu espaço na música nacional com a sua abordagem diferenciadora. Hoje são uma das maiores bandas nacionais e não há paragens em vista. A entrada fica a 8€ mais consumo de uma bebida!

 

  • Faroeste Encontro de Música de Câmara Contemporânea e Improvisada: Phill Niblock 18h – Silos Contentor Criativo // 3 de fevereiro

Nascido em 1933, Phil Niblock é um compositor, cinegrafista e diretor americano da Experimental Intermedia, uma fundação de música de vanguarda baseada em Nova York . Responsável por uma obra única que mistura a música e a imagem, Phil é um artista performativo que foi pioneiro neste movimento de intermedia, a conjugação do que ouvimos com o que vemos e que moldou o trajeto do género nos anos 60 e 70. Ainda antes da atuação de Phil, o vídeo Avistamento de Francisco Janes vai ser transmitido para abrir o apetite.

 

Foto: DR