Crítica: Tudo Pelo Vosso Bem, a verdadeira papa-reformas

crítica tudo pelo vosso bem

O novo thriller sem filtro da Netflix é uma aposta ganha, nem que não seja apenas pela brilhante execução da “gone girl” Rosamund Pike. A crítica a Tudo Pelo Vosso Bem.

Que com o passar dos anos tornamo-nos mais vulneráveis e dependentes, todos sabemos. Que as reformas são o grande sustento dos idosos, também o sabemos. Neste “Tudo Pelo Vosso Bem” somam-se estas duas vertentes e aposta-se no roubo de quantias monetárias de uma vida dos idosos mais abastados (naturalmente), jogando com a vulnerabilidade dos mais velhos.

Destacado como uma comédia negra, este é também um thriller pela força e mind games que a talentosíssima Rosamund Pike (outrora “Gone Girl”) traz ao filme. Ela é Marla – uma predadora sem qualquer escrúpulo, capaz de tudo para obter rendimentos de idosos que nada têm a ver consigo. Para conseguir isso, corrompe médicos, advogados e diretores de lar – tudo para ficar com a tutela destes idosos indefesos.

A falsidade das suas boas intenções escondem-se em argumentos incríveis e que, à partida, parecem verdadeiramente de ajuda a pessoas que não têm a mais ninguém a quem recorrer. Do lado de cá, o espetador percebe desde muito cedo este conceito e isso revolta-nos constantemente. Porém, a nova idosa sob a tutela de Marla, apesar de não ter família próxima, tem ligações diretas à máfia russa e isso vai desencadear uma guerra entre ela e o manda-chuva da máfia, protagonizado por Peter Dinklage.

 

Obviamente que nestas duas horas é o papel da atriz principal que dá mais nas vistas – primeiro odiamo-la, depois consequência do enredo, conseguimos até simpatizar com ela. Lembre-se que Rosamund Pike foi nomeada, com este filme, para o prémio ao Globo de Ouro de Melhor Atriz numa Comédia ou Musical.

A produção do filme é outro dos fatores diferenciadores. Em certos momentos há sequências rápidas, sons condicionados e tensão que nos transporta para alguns dos melhores filmes do género.

Há filmes melhores, outros tanto piores. Mas garantimos que não tem nada a perder ao ver este num bom e fatídico domingo à tarde plantado no sofá. Isto enquanto não chega a sua reforma. Digo isto “Tudo Pelo Vosso Bem”.

Classificação TIL: 6/10