Crítica Ohai Nazaré: o campismo de luxo ideal para relaxar o corpo e a mente


Tem tudo para ser um bom fim de semana, seja em família ou até sozinho – para esquecer tudo e viver o Pinhal do Rei.

Paz, plenitude e natureza. Há momentos (principalmente em vidas mais agitadas que só nos apetece fugir de tudo e parar para pensar e respirar) que só nos apetece fugir das cidades. Certo também que, com o passar dos anos, o turismo sustentável tem aparecido em maior número nas nossas vidas. O Ohai Nazaré é um desses exemplos, situado no espaço também pertencente ao Pinhal do Rei.

São oito hectares (ou para os mais acostumados, o equivalente a oito campos de futebol!) repletos de pinheiros, bungalows, caruma, glampings. Ou seja, apesar de estar coladíssimo à famosa praia da Nazaré, parece que naquele espaço não existe mais nada sem ser os verdes e castanhos da natureza a combinar com as madeiras dos luxuosos glampings e bungalows.

Fomos de fim de semana em Outubro, sem chuva mas com uma humidade acima da média. Felizmente há mais espaço livre e menos pessoas, por outro lado está fresquinho e a piscina já não convida para um mergulho.

Ali, o ar parece mais respirável e os glampings e os bungalows apresentam qualidades muito superiores aos que encontramos, por norma, num parque de campismo comum. Os glampings são realmente incríveis e, parecendo que não, dão para 4 pessoas, sem que em algum momento a estadia pareça apertada. O único senão é que nos meses de menor calor, há uma temperatura que pode não ajudar muito – se bem que tem um ar condicionado sempre à mão!

A calma é sentimento que levamos em cada caminhada pelo espaço ou sentado/deitado nas cadeiras à frente dos glampings e bungalows a ler um livro com o céu azul (ou tons rosados se tiver oportunidade de contemplar o fim de tarde) de fundo.

No conceito de família, as crianças podem aproveitar o mini parque de diversões – com escorregas tribais – e dão alento aos adultos para descansarem junto à piscina (exterior no caso de bom tempo, interior caso o tempo esteja mais fresquinho).

É talvez na zona de refeições que se sinta uma maior divergência. Isto porque existem duas salas: o piso zero é zona de buffet, onde estão contempladas as refeições de pequeno almoço e almoço, que apesar da boa variedade, a comida não tinha assim tanta qualidade; e o piso 1 onde está o restaurante Dasos, apenas aberto para jantares, com um design muito cool-chic e com pratos cuidados e de cunho pessoal (recomendo desde já o Tartar de Salmão).

Outro do diferencial no OHAI Nazaré está no plano de atividades que é atualizado todos os fins de semana – neste encontrámos um torneio de padel, uma iniciação ao ioga e uma introdução ao avistamento de estrelas. Só conseguimos fazer este último, numa experiência que além de divertida, foi lúdica.

O Ohai Nazaré é assim um alojamento diferenciador, que prima pelo acolhimento e na recuperação a 100% das semanas de trabalho. Ir sozinho, com a cara metade ou em família já é uma decisão sua. O Ohai tem comodidades para todos os géneros.

 

Classificação TIL: 8/10

Foto: Facebook Ohai Nazaré