JP Simões, First Breath After Coma, Fado Bicha e mais 5 nomes adicionados ao cartaz do Festival A Porta


Escrito por:
Rui de Sousa
Rui de Sousa
                       

Últimos posts de Rui de Sousa (see all)

Mais oito novos artistas associados ao Festival A Porta. De 14 a 23 de junho vai haver música da boa, em Leiria.

O Festival A Porta 2019 vai para a sua 5ª edição e novos e grandes nomes estão a ser associados ao cartaz. Agora, na segunda remessa, estão incluídos mais oito nomes: First Breath After Coma, Bruno Pernadas, JP Simões, Captain Casablanca, Fado Bicha, La Jungle, Venga Venga e Bruxas/ Cobras.

Os First Breath After Coma, a banda de Leiria, regressaram em 2019 com “NU”, o novo álbum (também visual da CASOTA Collective), num alinhamento narrativo com Rui Paixão como personagem principal (pode ler aqui a entrevista da TIL com a banda). Segundo o Festival A Porta, vai haver “NU” em concerto (o filme também será projetado) e o colectivo vai, ainda, apresentar uma experiência imersiva de 24 horas de som.

Bruno Pernadas é outro nome associado ao cartaz. A sua obra (a última “How can we be joyful in a world full of knowledge”) é designada como prolífica, genial e inclassificável.  Com passagens recentes por Espanha e Japão, Pernadas chega  à Porta com a sua big band e as canções de “Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them”. Também deverá apresentar algumas das canções do novo disco, previsto para 2020.

Os Fado Bicha são o projeto musical do momento, de Lila Fadista e João Caçador, que subverte as leis da heteronormatividade, tomando o fado como matéria, para abalar as raízes conservadoras e tradicionalistas. O resultado é fado até ao tutano e é bicha porque usa a subversão como linguagem de identidades pouco representadas. Música de intervenção, viva, vibrante, coisa do presente a chocar com o passado, que cria novos pilares de diversidade.

Juntam-se, ainda, ao Festival A Porta 2019JP Simões, errante e exímio contador de histórias, que tem a graça na voz e guitarra e um repertório que atravessa alguns dos momentos chave das últimas décadas da música portuguesa; Captain Casablanca, isto é, Casper Clausen dos Efterklang e Liima, entre a colagem sonora e a jornada musical, guiado por grooves em direção ao krautrock e à sua voz, através de sintetizadores, aplicativos de bateria e youtubes; o frenesim total e primitivo dos belgas La Jungle ; a performance arrojada e exuberante do Bass globalizado da dupla brasileira Venga Venga; e o rock matemático da dupla Bruxas/Cobras (Pedro Lourenço e Ricardo Martins), animais de palco para jogos de dualidade e transcendências percussivas.

Pode ver os primeiros nomes já divulgados pelo Festival A Porta aqui. Mais nomes deverão ser associados nas próximas semanas.