Festas da Batalha trazem Gabriel o Pensador, HMB, Cuca Roseta e muito mais


Alguns dos maiores nomes da música nacional têm encontro marcado na Batalha para mais uma edição dos festejos tradicionais. Gabriel o Pensador é o destaque deste ano.

Cabeças de Cartaz

Este ano, as festas contam com um cartaz de grande qualidade, aliado aos festejos tradicionais. Desde o fado à nova música portuguesa, também Mia Rose, HMB, AGIR, Calema, Cuca Roseta e Gabriel o Pensador pisam o palco das Festas da Batalha.

Este ano, o destaque vai para o artista brasileiro, que volta a terras lusas, e também para o grupo HMB. De destacar também as várias atividades complementares como a XI Mostra de Atividades Económicas, tasquinhas e petiscos tradicionais, uma zona de diversões e ainda uma tenda eletrónica para os mais resistentes.

Tudo isto faz prever que serão dias de grande festa na Batalha e todos estão convidados a participar. A entrada é livre.

Cartaz Completo

Fotos: DR

5 concertos que não pode perder este fim de semana


Para esta semana temos um leque de propostas musicais abrangente. Há tanto de música contemporânea como de clássica e swing.

  • Olga Prats – CCC das Caldas da Rainha // 9 de Agosto

A pianista portuguesa tem concerto marcado nas Caldas da Rainha, no âmbito da Semana Internacional de Piano de Óbidos. Olga Prats iniciou a formação aos 5 anos, fez a primeira apresentação aos 14 e desde então que o aperfeiçoamento tem sido um foco.

Estudou na Alemanha, onde recebeu o prémio de melhor estudante estrangeira, e, já de regresso a Portugal, foi também distinguida com o prémio Luís Costa atribuído à melhor intérprete de música espanhola. 

Além de ter sido professora de piano, foi fundadora de vários projetos musicais: o Duo de piano e violeta com Ana Bela Chaves, o Grupo de Câmara do Festival do Estoril,  o Opus Ensemble (1980) e ainda o Coletiva – Grupo Experimental de Teatro Musical Contemporâneo (1975). Conta também com participações em inúmeras orquestras nacionais e internacionais.

O espectáculo tem início às 21 horas e a entrada custa 18€.

 

  • Julia Valentim Trio – Praça de Salir do Porto // 10 de Agosto

A cantora é já uma das vozes mais conhecidas das Caldas da Rainha pelas recorrentes participações com a Banda Comércio e Indústria e com a Big Band da Nazaré.

Apresenta-se agora em formato trio, para um serão de verão com boa música e uma grande voz acompanhada de Iuri Oliveira (percussão) e Paulo Miranda (guitarra).

O espectáculo tem início às 22 horas e a entrada é livre.

 

  • CEEYS – CCC das Caldas da Rainha // 10 de Agosto

Nascidos ainda na República Democrática Alemã, os irmãos Daniel (pianista) e Sebastian (violoncelista) Selke formam os CEEYS. O duo utiliza a compreensão do mundo clássico no qual são formados academicamente, com a procura de novos sons ambientais, rebuscando material eletrónico que encontram já em desuso ou até mesmo danificado.

Dessa mesma junção de mundos tão diferentes, nasce a música dos CEEYS: melancólica, lenta, espaçosa, orgânica e sentimental.

O duo vem apresentar o mais recente álbum WÆNDE, um disco que retrata o que aconteceu aquando da queda do muro de Berlim: como os habitantes da República Democrática Alemã reagiram à alteração da sua vida pessoal e social; compararam as suas vivências e modo de vida tão díspares dos habitantes de Berlim Ocidental.

O espectáculo tem início às 21:30h e a entrada tem um custo de 7,50€.

 

  • The Lucky Duckies – Praia de Salir // 11 de Agosto

The Lucky Duckies é uma banda portuguesa estreada a 25 de abril de 1987. A banda, influenciada por  Elvis Presley, Dean Martin, Frank Sinatra e Sammy Davis Jr., tem presença marcada na praia de Salir para um concerto com muito swing e boa disposição.

Com 3 discos editados, os Lucky Duckies foram considerados a personalidade do ano na cultura em 2013 e depois de 30 anos de carreira continuam sem sinais de abrandar.

O espectáculo tem início às 22 horas e a entrada é livre.

 

  • MR. Gallini, GEEK daddies, Johnny Division – Bar da Légua // 11 de Agosto

O Bar da Légua em Alcobaça vai receber uma noite de grande qualidade com atuações de MR Gallini, Geek daddies e Johnny Division.

Mr Gallini é o alter-ego de Bruno Monteiro, baterista dos Stone Dead, que se apresenta acompanhado de uma guitarra num concerto que é descrito como psych harmonioso, contrastado com o acelerado dia-a-dia de quem sofre com as habituais dores de crescimento decorrentes da perda de inocência.

Os Geek Daddies são o lado menos próprio de pessoas aparentemente responsáveis. Uma espécie de duo dinâmico, convertido em trio ou quarteto quando assim é possível, na versão de um rock’n’roll heróico, desbragado e sem sentido. Uma banda com boas intenções, que pulula à solta no Inferno… Com um som cru e devaneante alteram entre ritmos desproporcionados e riffs poderosos, como quem não consegue domar o animal que monta.

Johnny Division é o vocalista dos Plastic People.

O espetáculo tem início às 19h e é de entrada livre.

Ana Moura, David Carreira, Matias Damásio e muito mais no Louriçal


A freguesia de Louriçal, em Pombal, volta a organizar os habituais festejos e, desta vez, tanto as novidades como os artistas são de alto gabarito.

É um evento que, desde 2014, tem vindo a ganhar uma dimensão diferente, com a fundação da associação Critérios e Tradições que, em parceria com a Junta de Freguesia do Louriçal, tornaram os festejos em honra de Nossa Senhora da Boa Morte num carimbo do concelho de Pombal.

Este ano, o cartaz conta com nomes como Virgul, Matias Damásio, Ana Moura, Sons do Minho e David Carreira. A fazer a receção, no dia 10, estará a Banda Índice, com uma viagem pelos anos 80.

Paulo Grilo, presidente da associação Critérios e Tradições, afirma: “Como tem sido tradição, temos cabeças de cartaz que agradam a diferentes públicos, sendo por isso umas festas para todos”. Aliado a isto, estão as tasquinhas, os diversos expositores e bares e os tradicionais divertimentos e festividades religiosas.

A festa retorna ao seu antigo formato, em que apenas o espaço destinado aos concertos será cobrado, ficando assim as restantes atrações de acesso gratuito.

Confira o cartaz completo:

Cartaz Completo

Bilhetes Diários:
10 de Agosto – 2€
11 e 14 de Agosto – 4€
12 e 15 de Agosto – 5€
13 de Agosto – 6€

Fotografias: DR

 

As melhores esplanadas nas praias do distrito de Leiria


Com o verão já chegado (espera-se que assim perdure) nada melhor que um serão à beira-mar com bons petiscos e excelentes vistas. A TIL andou pela costa do distrito à procura das melhores esplanadas de cafés, bares e restaurantes para passar uma bela tarde.

Praia da Vieria

Cardume Café

Vista da esplanada

O Cardume é um pequeno café na Praia da Vieira que prima pela diferença no atendimento e pelos petiscos característicos. Desde o “Cão com Pulgas” à “Provoleta” a carta de iguarias dá especial atenção à mistura de sabores latinos e mediterrânicos. O “Cão com Pulgas” é um petisco à base de salsichas e queijo gratinado e a “Provoleta” é um prato de queijo derretido com azeite, manjericão e molho de tomate.

Provoleta

Um espaço acolhedor cuja decoração evoca a arte xávega e onde tudo é preparado ao pormenor. Até a playlist, que vai desde John Coltrane até Bauhaus, é organizada para proporcionar um ambiente muito caseiro.

Sala das traseiras

A sala recatada atrás dá para quando o sol se vai embora e pretendemos continuar o serão. A vista pode não ser a mais fácil, mas nada impede de atravessar a rua e petiscar no paredão com uma vista e um cheiro a mar incríveis.

 

S. Pedro de Moel

Old Beach

Entrada

O Old Beach, na Praia Velha em São Pedro de Moel é um espaço um pouco escondido mas muito bonito. É um sítio que muito facilmente nos faz esquecer qualquer problema pelo cenário que presenteia aos petiscadores. Escondido entre a floresta e o oceano, o Old Beach conta com serões de dj na areia, os famosos sunsets para além de, no alto do verão contar com o Clubin’ como parceiro para animar as noites.

Esplanada

De pés na areia e com uma fresquinha a ajudar, as tardes facilmente se tornam em noites ao som do belíssimo pôr do sol. Da ementa fazem parte petiscos de comer e chorar por mais como o Berbigão à Espanhola, o Camarão ao Alhinho flamejado com Whisky, o Brás de Alheira com Azeitona e o Chouriço Caseiro à Bombeiro para além das típicas tostas. É o sítio ideal para quem gosta de espaços tranquilos.

 

O Velho Marinheiro

Esplanada

O Velho Marinheiro, situado na “baixa” de S. Pedro de Moel, é um ‘tasco bastante acessível. Quase em cima da areia, a esplanada permite degustar uma fresquinha enquanto se saboreia a maresia de tão perto que está. Como o nome indica a decoração é orientada para tudo o que é mar.

Destaque para o balcão feito em azuleijo típico de piscina e para o cantinho da saudade, um pequeno espaço que serve de homenagem às gentes da terra, desde vendedores de praia a nadadores salvadores. O Velho Marinheiro oferece o básico a nível de petiscos, desde tostas, baguetes e caracóis. Durante a época balnear, os domingos são dinamizados com música ao vivo.

Nazaré

Taberna T’Izelino

Esplanada

A Taberna do T’Izelino encontra-se no final da marginal da Nazaré. O nome provém do dono original do estabelecimento, avô do atual proprietário. É um tasco tipicamente português, desde a decoração aos petiscos. A homenagem aos nazarenos no espaço e a simpatia do atendimento dão uma sensação de estarmos em casa. Desde a travessa de amêijoas, à salada de polvo e ainda uma salada de ovas, a Taberna do T’Izelino oferece uma oportunidade inigualável de um serão bem passado, a dois passos da praia.

Taberna do Ti’Zelino

O que também não faltam são as imperiais e os vinhos. Destaque também para a escolha sonora, uma paixão do sr. João (Tavares), dono da taberna, que nunca está desenquadrada. Fica o convite a virem experimentar um tasco diferente e com muito para oferecer.

 

Taberna Afficion

A esplanada com uma vista incrível

No sítio da Nazaré, escondido nas ruelas está a Taberna Afficion. De temática tauromáquica a Taberna prima pela vista impagável que oferece, mas já lá vamos. O sr. Luís, ribatejano é o dono da Taberna Aficcion e não podia fugir ao seu adn. Tudo neste estabelecimento respira tauromaquia, desde a decoração aos petiscos tipicamente ribatejanos. Enquanto nos deslumbramos com a vista, é possível degustar vários tipos de tapas, conservas diversificadas, enchidos e os ossinhos de porco.

Obviamente que a carta de vinhos também é bem extensa e de qualidade. Como o nome indica, este tasco é para os aficionados da tourada, mas atenção, quem não se revê nesta atividade tem alternativa. A televisão está sempre reservada para as corridas mas a da esplanada permite outros conteúdos. Destaque para a familiaridade do tratamento e para a vista. Da esplanada podem observar-se as Berlengas, Peniche e até a Serra de Aire e Candeeiros. Pela vista este tasco merece a visita.

 

Fotos: Márcio Tomé

O 1743 – Leitão da Mealhada vai oferecer imperiais!


A união entre a Imperial e a sandes de Leitão vai ser homenageada, no Dia Internacional da Cerveja

Na próxima sexta-feira, dia 3 de agosto, o restaurante 1743 – Leitão da Mealhada celebra o dia internacional da cerveja e também a bela união entre a ‘fresquinha’ e a sandes de leitão. Como é de costume nas celebrações, vai haver festa e o restaurante promete uma happy hour das 15h às 19h onde a promoção pague 1, leve 2 ,vai estar em potência máxima. As ‘loiraças’ e as sandes de leitão são a combinação perfeita para uma tarde de calor como se avizinha. Se gosta de Leitão apareça amanhã no restaurante 1743 – Leitão da Mealhada, no Mercado Sant’ana para uma tarde regada em Leitão e cerveja.

Cartaz Oficial

 

Fotos: Facebook 1743- Sandes de Leitão

2 Concertos para abrir o agosto em grande


Para o início do mês de Agosto temos mais propostas musicais para aproveitar o fim de semana.

 

  • Halletsu – Atlas Hostel//1 de Agosto

A banda nipónica encerra a sua digressão em Portugal com um especial concerto no Atlas Hostel. O trio formado por Kota Arai, Tetsutarou Take e  Arisa Yokote é fortemente influenciado pela cultura ancestral da ilha de Aogashima, pelo fascínio pelas artes incutido no período Edo e pela cultura pop contemporânea.

Início: 22:30h

Entrada: Livre

 

  • 5º Concerto da Orquestra Nacional de Sopros, de A dos Francos – CCC das Caldas da Rainha//3 de Agosto

A Orquestra Nacional de Sopros de A dos Francos é já uma realidade única no País, que prestigia o Concelho das Caldas, pela excepcional qualidade dos Músicos e Maestros e pelos excelentes Concertos realizados nos últimos anos. Tal resulta, também, da Orquestra ser formada por cerca de 90 dos melhores músicos, que se deslocam de norte a sul do país, Açores e Madeira, para, em A dos Francos, com a ajuda da população da Vila, prepararem o Programa com temas, cada vez mais complexos, de grandes compositores nacionais e estrangeiros. Acrescentamos ainda que estes excelentes jovens músicos, merecem todo o apoio e uma presença massiva dos que gostam de boa música, porque abdicam da sua 1.ª semana de férias para preparar, em 4 dias, gratuitamente, um óptimo Concerto no CCC.

Início: 22:00h

Entrada: 4,50€

 

Foto: Facebook Halletsu

4 Concertos a não perder este fim de semana


O fim de semana está aí à porta e temos várias sugestões musicais para o aproveitar em pleno.

 

  • Jorge Caiado – Stereogun//27 de Julho

O Dj brasileiro continua a desafiar o House como ninguém e faz uma paragem e Leiria para nos mostrar a sua sonoridade com pinceladas de Vinícius de Moraes, LCD Soundsystem, Marvin Gaye entre muitos outros.

Início: 23h30

Entrada: 5€ +  Consumo de uma bebida

 

  • Rooftop Bodo 2018 – Hotel Pombalense// 27 de Julho
Cartaz Rooftop Bodo

Torna-se obrigatório todos os anos, no último sábado de Julho juntar a boa música a uma vista privilegiada sobre a cidade de Pombal. Começou em 2014 e temos a certeza que todas as anteriores Rooftop foram especiais para todos os que marcaram presença, mas para esta 5a edição continua a elevar a fasquia. Com um cartaz de luxo garantido, vão ser mais de 6 horas de música e dança. 5 anos de ROOFTOP BODO com 5 Dj´s, Gusta-vo (Neopop),  Eduardo,  Ziko, Luís Sousinha e Muspheller.

 

  • Mata-Ratos + Queers of Rock and Roll – Texas Bar//28 de Julho

A Lenda da Bilha de S. Jorge será recreada, ali para os lados onde nasceu, Leiria, com a devida pompa e circunstancia num tasco infecto que leva pelo nome de Texas Bar. Tal como em 1385 a desproporção das forças em combate será chocante: 2 bandas, zero público (as expectativas de um infame são sempre niveladas por baixo). Espera-se o mesmo calor abrasador que trará ao campo de batalha essa Bilha milagrosa que quanto mais dela se beba mais de cerveja se encherá como de fonte inesgotável brotasse. Ao assalto!

Início: 23h

Entrada: 8€

 

  • Baleia Baleia Baleia – Stereogun//28 de Julho

A banda do Porto passa pelas terras do Lis para partilhar connosco o seu  rock. Nascidos de jams informais, os Baleia Baleia Baleia destacam-se  pela sua sonoridade com referências no punk e no stoner bem agressivo.

Início:  23h30

Entrada: 5 €+ Consumo de uma bebida

Depois do concerto: 5€ consumíveis

Ti Milha 3º dia – O Descanso dos Guerreiros


O derradeiro dia do Ti Milha chegou e depois de uma noite de sábado que vai deixar muitas saudades, ainda houve quem tivesse força para comparecer no Parque de Merendas da Ilha para, em conjunto, fazer a recuperação.

Para o encerramento do Festival Ti Milha estava planeado um pouco de tudo numa junção de gerações. Logo pela manhã, a sessão de Ioga concentrou os mais matutinos num momento de relaxamento.

De seguida, por volta das 13h deu-se início ao Mega Piquenique. À volta do lago todos se juntaram numa partilha de experiências, comida, bebida e boa disposição.

Depois da ‘bucha’ foi a vez dos mais velhos atuarem num sarau de rancho. Enquanto as crianças se divertiam, os mais velhos dedicavam a sua atenção ao concerto. O momento alto do dia foi este, a congregação, mais uma vez, de gerações que celebraram o seu saudabilíssimo  ‘bairrismo’! O restante tempo da tarde foi ocupado por um torneio de xadrez, uma oficina de teatro e um workshop de dança.

Torneio de Xadrez

Houve ainda tempo para a atuação do Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra (GEFAC) com o seu mais recente espetáculo “O Canto dos Dias” e também para uma peça de teatro com o grupo Grupo Amador de Teatro da Almagreira (GATA).

Para o encerramento das festividades ficaram reservadas as atuações dos Semibreves, um grupo de musical tradicional e do Daniel Catarino que, fez a sua performance no meio do recinto possibilitando um encerramento muito intimista.

Daniel Catarino

Fazendo um balanço deste festival, o nosso repórter não podia estar mais surpreendido. Um aspeto que diferenciou o evento foi o dever cívico, muito dificilmente se encontravam copos de plástico no chão, ou qualquer outro tipo de lixo. Desde a organização e principalmente aos participantes, que são estes que fazem a festa, tudo neste festival grita ‘bairrismo’, ‘orgulho’ e ‘felicidade’. Estas pessoas não têm medo de ser bairristas, e ainda bem, começando no apoio aos projetos artísticos locais passando por um civismo incomparável o Ti Milha é uma festa que celebra a boa música, as suas gentes e o que fazem num espaço de beleza incrível. Em suma o Ti Milha é… é… é preciso vivê-lo para o sentir. Despedimo-nos a contar os dias para a próxima edição.

 

Testemunhos

  • João Pedro Pedrosa, 26 anos

“O último dia do Ti Milha, é o dia que toda a gente devia experiênciar, pois é o dia que consegue transparecer toda a essência do festival. Temos todas as gerações juntas num só espaço, os mais novos a deslizar pelo escorrega, os mais velhos a cantar à volta do rancho com tanta ou mais emoção que se estivessem a ver um concerto dos Beatles, e o resto deitados pelas mantas e relvados ainda a tentar recuperar da noite anterior.
Dizem que o Ti Milha é festa, que é para todos e de todos, que é único e especial, e só ganhamos noção disso quando ficamos num domingo até de noite escura com esperança que aconteça novamente no próximo fim de semana. O Ti Milha não dá para descrever com simples palavras, tem de ser vivido.”

 

Fotos: Luís Ferreira

Ti Milha 2º Dia – A Real Padráda


No segundo dia de Ti Milha as bandas meteram o público ao rubro. Depois de uma sexta-feira a todo o gás, sábado o chão tremeu no parque de merendas da ilha.

Pás de Problème e uma ‘real padráda’

Neste segundo dia o ritmo não abrandou, mas começou bem tranquilo pelas 19h, Joana Pedrosa deu aos presentes um workshop de Culinária Macrobiótica onde foram distribuídos conhecimentos valiosos sobre alimentação.

Acabado o workshop foi altura de começar o estágio para a noite incrível que se veio a revelar. Concentrados no palco secundário e maioritariamente sentados, os presentes assistiram a mais uma sessão de curtas metragens com o “Mov’Ilha” a levar à tela as curtas “Cora” e “The Voyager.”

Pelas 22:30h foi a vez dos All Freak Band Happy People tomarem o palco. A banda, que é uma mescla de orientações e influências musicais, atuou para um público a meio gás pois ainda muita gente estava para chegar. 

Os Mirror People de Rui Maia entraram em cena e o que se pensava ser uma atuação de pôr toda a gente a dançar, não fez mexer mais que os fãs da dianteira do palco. Muita gente concentrada na zona do bar e a não prestar atenção aquele que é um dos músicos de excelência do nosso país. Os Mirror People ainda conseguiram fazer mexer alguns que ora crescia, ora diminuía. 

Mirror People

Seguiu-se a atuação d’Os Compotas e que atuação! O grupo subiu a palco com uma energia contagiante e distribuindo injeções de funk na audiência que aos poucos se foi soltando e pondo os pés a mexer. Munidos de sopros, guitarra, baixo, bateria e um teclista/frontman com uma energia poderosíssima, Os Compotas começaram a acelerar o ritmo dos corações. Acabaram cedo demais diz quem lá esteve.

Os Compotas

Chegava agora o momento mais aguardado desta noite, os Pás de Problème, banda muito acarinhada na Ilha. Vindos de Lisboa e pela segunda vez no Ti Milha a receção que tiveram confirmou o que se esperava. Toda a gente queria vê-los e, consequentemente, receber a sua “padráda.Durante 2 horas os Pás de Problème meteram toda a gente a saltar e aos encontrões num espetáculo que teve tanto de teatralidade como de qualidade e energia, sendo impossível encontrar alguém parado. Se Os Compotas tinham atuado pouco tempo, o que dizer dos Pás de Problème, depois do encore ainda se ouviu um coro de “só mais uma” mas acreditamos que os donos da “padráda” deixaram tudo em palco, não restando energia para mais.

Antítese do concerto, pessoas paradas.

A fechar o dia esteve, no palco secundário, o Dj Nomad mas já eram poucos os resistentes do concerto anterior. A pujança dos Pás de Problème deixou o público esgotado. Para domingo ficou reservado o dia mais calmo para descomprimir e recuperar energias.

 

Testemunhos

  • Nádia Ferreira

“O timilha é uma maratona a dançar. Acordas no outro dia com o corpo todo dorido, marcas dos moches, sapatilhas cheias de terra e só queres voltar.
É ficar ansioso para que chegue e não querer que ele passe.
É estar em família para celebrar só o facto de estarmos ali juntos.
É ver o produto do trabalho de voluntários que só querem ver as pessoas felizes e eu fui lá feliz.

 

Ti Milha 1º Dia – Uma Sexta-feira 20 que soube a Quinta-Feira 12


O festival Ti Milha abriu as suas portas pela 3ª vez e a TiL esteve presente a saborear aquilo de que é feito este festival, e as suas gentes.

 

Para abrir o apetite do 1º dia o convidado de abertura foi o humor do ‘RUIM’. Rui Conceição abriu as hostilidades com stand-up que ia desde as velas de sua casa ao IKEA, e enquanto disparava em todas as direções, também sobrou para o público que não teve medo de interagir com o comediante.

Rui Gonçalves ‘RUIM’

Neste primeiro dia os atos musicais estavam a cargo dos filhos da terra começando com J. Bird Person. Uma mistura de jazz com toques de pop que aqueceu o público. Completos com trombone, contrabaixo, trompete, bateria, xilofone e teclas as incursões em sonoridades diversas foram uma constante, terminando com uma versão de “New Person, Same Old Mistakes” dos Tame Impala que da original só ‘confiscou’ a linha de ‘contra’baixo.

J. Bird Person

A seguir subiram a palco os Quinta Feira 12. Para o nosso repórter (e para os presentes) este foi o alto da noite. Também filhos da terra, os Quinta Feira 12 aceleraram os corações, os pés e as mãos do público que no tom e no tempo acompanharam a banda em praticamente todas as músicas. Ninguém queria que acabassem e depois de (pouca) insistência regressaram para um encore que deixou os fãs com água na boca. Fica aqui o aviso para ter em conta este grupo pois grandes coisas os esperam.

Quinta-Feira 12

Para ‘final act’ entrou ‘no ar’ o Dj A Boy Named Sue com as suas viagens pela história da música, tanto a nível sonoro como a nível visual e físico. Os seus vinys mantinham a público do Ti Milha ativo e a dançar, fosse um êxito de Beatles ou de Betty Davis. Com muito pesar o nosso repórter teve que abandonar antes de finalizar o set. Mais logo está marcada a 2ª ronda no Parque de Merendas da Ilha.