12 concertos a marcar presença


Esta semana, mais uma vez, o distrito de Leiria recebe concertos de vários espectros. Eletrónica, pop-rock, jazz e até lo-fi.

 

  • L Mantra 22h30 – Atlas Hostel // 10 de outubro

Madalena Palmeirim e João Teotónio são os L Mantra, uma dupla que depressa saltou da sala de estar para o estúdio de gravação, onde produziram o disco de estreia. Imersos na sonoridade lo-fi, mas também com tragos de minimalismo, os L Mantra abraçam quem os ouve numa sensação íntima, calorosa e intemporal. O Atlas traz-nos, novamente, sonoridades fora da caixa e, como sempre, de entrada livre!

 

  • Nuno Barroso 21h30 – Teatro José Lúcio da Silva // 11 de outubro

O cantautor, poeta, músico e compositor Nuno Barroso tem encontro marcado em Leiria para apresentação do álbum Amigos e Duetos. Desde cedo que Nuno Barroso mostrou aptidão para a música, tendo contactado diretamente com o meio, através do pai Pedro Barroso, também músico, e tendo formado a própria banda, os AlémMar. Foi uma banda que gozou de enorme sucesso nos anos 90, com singles como Deixa-me Olhar ou Já não há mais baladas. Neste novo álbum, Nuno conta com a participação de consagrados músicos, entre os quais José Cid, Pedro Barroso, Rafa Bocero, Yola Dinis, Noa, Nuno Guerreiro, Stigi van, Adelaide Ferreira, Nuno Norte, Paulo Gato e Anabela. Um álbum versátil, que mostra o alcance do artista que se desdobra em estilos como o fado  ou o pop-rock. Um concerto que contará com pelo menos nove músicos convidados e que é organizado em conjunto com a Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral de Leiria. Parte das verbas da bilheteira revertem para ajudar a associação. Não fique a olhar e segure o seu bilhete.

 

  • Plastic People 23h – Clinic (Alcobaça) // 12 de outubro

Os Plastic People são João Gonçalo (voz), André Frutuoso (guitarra) e JT (teclados, voz), Johnny Walker (baixo), Nuno Ruas (bateria) e Cristovão Carvalho (guitarra) amigos de longa data e de Alcobaça. Uma banda que explora sonoridades de The Velvet Underground, Joy Division, David Bowie ou Iggy Pop. A música oscila entre o amor e o ódio e entre a luxúria e a decadência e aborda temas como a dificuldade em sentir a vida de forma romântica, mas num estilo punk. O álbum Visions, produzido ao longo de cinco meses, é a estreia editada dos Plastic People e contém 10 temas originais. Infelizmente, os bilhetes para este concerto já estão esgotados mas quem sabe se não tem sorte e consegue estar presente para a estreia do álbum.

 

  • Iguana Garcia + Gypos + Roberto Caetano – Stereogun // 12 de outubro

João Garcia é IGUANA GARCIA. Depois de pertencer à banda The Kafkas, onde era guitarrista e vocalista. IGUANA GARCIA vem à Stereogun apresentar o álbum de estreia Cabaret Aleatório. Para a estreia de João Garcia podemos esperar uma mescla de eletrónica, rock psicadélico e pop dos anos 80. Com ingredientes assim fica difícil recusar a presença neste concerto.

 

Os Gypos são Gil (guitarra e voz), Azul (guitarra), Tony, (baixo) e Fernas (bateria) e vêm de Lisboa para mostrar o seu EP Love to Hate, Hate to Love. Caracterizados pela junção entre o rock, o punk e até o blues, os Gypos vêm de Lisboa, Coimbra e Leicester e têm encontro marcado na Stereogun para abanar os esqueletos do público ao som de temas como 3 Sundays in a Week e muitos outros. Uma estreia a não perder!

 

Roberto Caetano – Vocalista dos First Breath After Coma

Roberto Caetano, vocalista e guitarrista dos First Breath After Coma, tem o palco da Stereogun para pôr toda a gente a dançar, munido de temas clássicos, discretos e exuberantes. Uma noite com um cardápio assim tem tudo para ser uma noite épica!

Acesso aos concertos: 5€ (que revertem 100% a favor das bandas*) + Consumo obrigatório de uma bebida.
Acesso depois dos concertos: 5€ consumíveis
* IGUANA GARCIA e GYPOS

 

  • Bjazz 16h30  – Coto, Rua da Escola ARECO // 13 de outubro

Inserido no evento Caldas Nice Jazz, o concerto dos Bjazz é um dos que abre as hostilidades e solta o jazz nas Caldas da Rainha. Os Bjazz são um grupo de amigos músicos da região de Óbidos, que juntaram a sua experiência musical para dar boa música e muita diversão. Sendo relativamente jovens, os Bjazz primam pela irreverência dando aos standards tradicionais do jazz uma nova roupagem e dando largas à criatividade e improvisação. Ao vivo, gostam da proximidade com o público fazendo-lhe chegar o seu estilo hapiness jazz, o Dixieland dos anos 20 passando pelos blues e até o funky.  A entrada é gratuita.

 

  • Nuno Lisboa + RUOD-Rik e Ricardo 23h30 – Clube Musique // 13 de outubro

Nuno Lisboa é oriundo do Porto e desde cedo convergiu para a música eletrónica. Nos dias que correm é já considerado um artista em ascensão, com uma identidade definida e reconhecível. Artista integrante da editora Refused, Nuno tem crescido constantemente e prova disso é o apoio de artista de renome como Richie Hawthin. As atuações do músico distinguem-se pelo ambiente intenso, sons que não parecem naturais e sonoridades que despertam os sentidos.

Rodrigo e Ricardo Narciso são já caras conhecidas da música eletrónica sendo responsáveis por organizar as noites da Exit. Têm espaço reservado na cabine do DJ para protagonizarem mais uma grande noite da Exit!

 

  • The Slum Vagabunds 00h – Inapark // 13 de outubro

Os Vagabundos da Favela são Syper e Vanhellque se juntaram em 2011, altura em que também passaram a integrar o coletivo Fuse Records. Partilhando os gostos ecléticos e uma liberdade criativa que lhes permitiu, ao longo de 6 anos, viajar pelo espólio gigantesco da música eletrónica. The Slum Vagabonds surgem como representação da memória e da consciência para o desequilíbrio que existe neste mundo moderno.

Condições de Acesso:
PRÉ-VENDA PULSEIRA
5€ (c/ oferta de bebida)*
NA PORTA
7€ (c/ oferta de bebida)*
* Oferta de bebida às primeiras 50 entradas até às 02h

 

  • Ghost Hunt + Paisel 22h – Museu do Vinho (Alcobaça) // 13 de outubro

Este concerto é parte integrante do festival Literário e de Cinema de Alcobaça. Pedro Chau e Pedro Oliveira são Ghost Hunt, uma mistura de sonoridades hipnóticas e repetitivas, caixas de ritmos, sequenciadores, sintetizadores e guitarras cortantes. A música instrumental que criam traz referências ao rock eletrónico alemão dos anos 70, ao postpunk dos anos 80, à música de dança dos anos 90 e até à revitalização do eletrorock dos anos 2000. Percebemos assim que os Ghost Hunt são também uma aula de história da música. Vale muito a pena ir e tirar notas!

Paisiel é o duo formado por Julius Gabriel e João Pais Filipe que deambula pela música experimental, o jazz e o rock. A dupla explora as possibilidades expressivas dos seus instrumentos fazendo a analogia possível. É o espaço entre a receção e a emissão de uma chamada telefónica do cosmos. De realçar que a entrada é livre!

 

Fotografias: DR